Close

Vídeo: HAL Tejas no Bahrain Air Show 2016

Pensando em um substituto para a frota de MiG-21, a Índia começou a desenvolver o programa LCA (Light Combat Aircraft) no início dos anos 80, com o objetivo de também desenvolver a indústria local. Para coordenar e desenvolver o projeto, que envolve mais de 100 centros de estudos, empresas, laboratórios e indústrias foi criado a ADA (Agência de Desenvolvimento Aeronaútico). Rebatizado de HAL Tejas, o caça leve indiano tem enfrentado diversos problemas ao longo do seu desenvolvimento.

A HAL é a principal contratante do projeto, sendo a ADA a responsável pelo desenvolvimento do programa. Iniciando os trabalhos em 1983, o programa LCA chegou no design definitivo em 1990: caça com asa em delta, pequeno, controlado por um sistema fly-by-wire desenvolvido localmente.

Ele recebeu o nome Tejas(‘Radiante’ em sânscrito ) e foi desenvolvido o radar multimodo MMR, além de poder receber aviônicos de qualquer procedência. Equipado com uma turbina General Electric GE F404 americana, devido a problemas no desenvolvimento do motor nacional GTX-35VS Kaveri.  Com o desenvolvimento atrasado e enfrentando sérios problemas de desempenho com o motor, foi feito um acordo de auxilio técnico com a SNECMA em 2004 para resolver os problemas com o motor. No vídeo abaixo, o HAL Tejas faz uma apresentação para o público do Bahrain Air Show 2016.

Por causa disso, o projeto do motor nacional foi abandonado em 2012, sendo feito um acordo para adquirir motores GE F404 americanos para equipar os protótipos, aviões de pré-série e o modelo inicial Tejas Mark I, para o Mark II estão previstos os motores GE 414, mais potentes.

Os sucessivos atrasos no cronograma, fizeram com que o primeiro protótipo real, o PV-1 fizesse o primeiro voo em 2003, seguido do PV-2 em 2005. Novos problemas resultaram fizeram com o que os primeiros HAL Tejas Mark I fossem declarados operacionais apenas em 2016, com a previsão do primeiro esquadrão ser formado em 2017.

E a versão Mark II, muito melhorada, será introduzida apenas em 2019. Foram feitos pedidos para 83 aeronaves para a Força Aérea, mas esses números podem aumentar para 160, incluindo a versão Mark II.

 

Fonte.: YouTube

Abraços e até o próximo Vídeo!

Bit Voador.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.